Saltar para o conteúdo principal da página
Património Cultural

Music 16 de novembro, às 16h30

Cramol | Ciclo de Coros no Museu Nacional da Música

No dia 16 novembro, às 16h30, o Museu Nacional da Música acolhe, no âmbito do Ciclo de Coros no Museu da Música, CRAMOL.

CRAMOL é um grupo de mulheres que desenvolve a sua actividade no âmbito de uma associação cultural, a Biblioteca Operária Oeirense. Formado em 1979, o grupo dedica-se ao canto tradicional de mulheres.
Ao longo da sua existência, actuou em dezenas de espectáculos no País e no estrangeiro, tendo efectuado também várias gravações para rádios estrangeiras e participado em algumas edições discográficas e programas televisivos.
A direcção musical do grupo é exercida por Eduardo Paes Mamede, desde Setembro de 2003.

A direcção musical do grupo é exercida por Eduardo Paes Mamede, desde Setembro de 2003.

Apoio: Horto do Campo Grande

*o bilhete do museu dá acesso ao concerto.



E vira Bom – Merujal/Cancioneiro de Arouca
Pelas arrigas do linho-Espiunca/CancºArouca
Cantiga da Rega- Beira Alta
Meninas vamos à Murta – Monsanto/Beira Baixa
Deita-te ao correr da água - Baixo Minho
Cantiga da Sacha – Fundão/Beira Baixa
Venho da ilha dos vidros - Alentejo
Senhora do Alívio – S.Martinho Crato/Minho
Menina do bailho - Beira Baixa


Currículo

Numa busca de sons ancestrais e das suas sonoridades atávicas, um grupo de mulheres junta-se, em 1979, para fruir e aprofundar o canto tradicional no feminino, um dos mais ricos patrimónios da música rural a cappella. Entrecruzando o sagrado e o profano, o ciclo da vida, o ciclo da natureza e o ciclo religioso, o Cramol procura dar a conhecer a quinta-essência do canto da mulher rural no seu quotidiano.
A aventura começou num atelier em Oeiras, no seio da associação cultural Biblioteca Operária Oeirense. Aí, um grupo de jovens mulheres decide aprender e reencontrar um canto primevo de muitas sonoridades. As apresentações públicas tornaram premente a formação de um grupo autónomo e de nome próprio. Assim nasce o Cramol. Desde então, apresentou-se em centenas de concertos por todo o país e no estrangeiro: Londres, 1982; o mítico Théâtre de la Ville em Paris, 1986; Amesterdão e Roterdão, 1991; Frankfurt,1997; Rennes, 1998, Barcelona 2001; Itália/Alto Ädige, 13th ALTA PUSTERIA INTERNATIONAL CHOIR FESTIVAL, 2010;
Em rádio, passou em emissões da WDR (Alemanha), Radio France Internationale, France Culture (emissão especial de 7 horas), Universidade de Viena (Áustria), Malawi (com Donald Kachamba – música kwela) e Antena 2. Já no teatro, as vozes do Cramol fizeram-se ouvir nos espectáculos A Pécora, de Natália Correia (A Comuna – Teatro de Pesquisa, 1983); A Celestina, de Fernando de Rojas (Teatro Ibérico, 1984); e Bichos e Auto do pino do Verão (Bando 1990 e 2001); 05 de Outubro de 2010, – Participação nas comemorações do centenário da República a convite do grupo de Teatro “O Bando”. Morte Macaca, curta metragem de Jeanne Waltz (1997), contou igualmente com a participação das vozes do Cramol. Finalmente, na área da dança, o grupo participou ao vivo na coreografia do francês Jean-Jacques Sanchez (Compagnie Lazza, 1999). O palco foi partilhado com artistas como Urban Sax (França), Donald Kachamba (Malawi), Uxia (Galiza), Júlio Pereira, Duplex Longa, José Mário Branco, Sons da Lusofonia, Amélia Muge, Moçoilas, Danças Ocultas, Camané, Segue-me à Capela e Gaiteiros de Lisboa, entre outros.

Em termos de discografia, o Cramol tem as seguintes obras editadas: Voyage Musical – Portugal (Sílex, Auvidis, 1994); Voix de Femmes au Portugal (Auvidis, 1995); Cramol (BMG, 1996); e Vozes de Nós (Ocarina, 2007). Participou em CD de Júlio Pereira (Braguesa, 1983); José Afonso (Como se fora seu filho/Galinhas do Mato, 1985); Pedro Barroso (Do Lado De Cá De Mim, 1983), Sons da Lusofonia (Caminho longe: ao vivo, Valentim de Carvalho, 1998); e Amélia Muge (A Monte, 2002 – participação virtual). Participou ainda nas colectâneas Cantigas de Amigos (Sony Music Entertainment, 1999) e Raízes e tradições (MVM, 1998), bem como no Hino da Expo 98.
Em Setembro de 2010 participou numa faixa do CD de Rosa Negra “Fado Mutante” lançado em Outubro de 2011.
Em 2012 efectuou vários concertos destacando a 14 de Janeiro de 2012 no Museu de Castelo Branco e a 02 Março na Fundação Gulbenkian com Grupo Rosa Negra e Concerto dia 05 de Abril na Igreja Menino Deus sob o tema da Paixão, da Morte, da Vida, realizado por Edgar Canelas e transmitido no Domingo de Páscoa na Antena 1. Em 2013 a 05 de Janeiro na Biblioteca Orlando Ribeiro-Telheiras em 2014 a 12 de Janeiro no Museu Castro Guimarães em Cascais e 01 de Novembro na Universidade de Aveiro num simpósio Internacional intitulado “Práticas femininas rurais em contextos urbanos”.
Em 2015 entre vários salientamos 07 Fevereiro conferência com Escritor Miguel Real e Pilar del Rio integrada na Exposição “90 anos de José Saramago” e 14 Novembro em Tomar integrado no Colóquio “O Culto Mariano no Ribatejo”. Em S. Pedro do Sul a 01 de Outubro de 2016 participou na promoção do canto polifónico feminino a Património Cultural e Imaterial com Isabel Silvestre e o seu Grupo. O Festival Misty Fest apresentou De Viva Voz 1 espetáculo único no Teatro Tivoli dia 12 de Novembro de 2016, com Amélia Muge, Cramol, Maria Monda, Segue-me à Capela e Sopa de Pedra. Em 2017 destacamos o concerto na Igreja de S. Roque a 11 de Abril, no Solar dos Zagalos a 08 Julho, integrado no ciclo “Solar ao Vivo” a convite da Academia de Música de Almada e no Mosteiro
Dos Jerónimos. Em Janeiro 2019 Conferência “O Mal Moral, Violência, Expiação, Perdão e Reconciliação na BOO com Frei Bento Domingues e Lisete Fradique, participação do Cramol. Concerto do 37º aniversário do Vocal DACAPO no dia 26 Janeiro. Em Fevereiro Conferência “O Mal na existência Humana” na BOO, com Viriato Soromenho Marques e cantos do Cramol a 16 Fevereiro no Capitólio CRAMOL colabora no concerto da Reedição do CD “Ao longe já se ouvia” do Grupo “SOPA de Pedra. Em Março Conferência “O Mal: Máscaras, Feitiços na Existência Humana. Em ABRIL Conferência “Quem Canta seu mal espanta: Da Rotina do Quotidiano do Arrojo da Libertação, com, Interditos e Subversão na BOO com Amélia Muge-Cláudia Fonseca e cantos do Cramol. A 27 de Abril na Igreja de Carcavelos, integrado no período da Páscoa intitulado “ DA PAIXÃO, DA MORTE, DA VIDA”, Em Maio Conferência “O Mal : A Ignorância e o Desafio de Ser Humano com Ana Paula Guimarães e MÓNICA BETTENCOURT e cantos do Cramol, 12 e 31 Maio na Galeria “Quadrado Azul” em Lisboa, a 25 Maio a convite do Coro de Câmara de Cascais, dirigido por Maria Repas, no Museu Condes de Castro Guimarães, a 15 Junho na Valentim de Carvalho em Paço de Arcos gravação de 3 faixas com poesia de MIA COUTO com música de João Gil, Luís Figueiredo autor da harmonia e Nuno no som,
Em Junho Conferência “O Mal: Tragédia e silêncio nas assimetrias de Género com Manuel Lisboa e cantos do Cramol. 21 Junho no Auditório Rui de Carvalho encerramento das atividades da BO.O., 20 Julho na Fábrica da Pólvora no Festival “Sons da Terra”. Em Julho Conferência “As fontes do Mal” na BOO, com Miguel Leal e cantos do Cramol.
Em Setembro Conferência “O MAL: Reprovação, Pena e Absolvição na BOO com ÁLVARO LABORINHO LÚCIO e cantos do Cramol. 26 Outubro no Liceu de Oeiras o Cramol e o Grupo Coral Viva Voz comemoraram os 40 anos do CRAMOL.

A 16 de novembro cantará no Museu da Música no Alto dos Moinhos em Lisboa, a 19 de dezembro participará no concerto do Grupo Sete Lágrimas no Centro Cultural de Belém etc.

A direcção musical do grupo é exercida por Eduardo Paes Mamede, desde Setembro de 2003.

Apoio: Horto do Campo Grande

Organization:
MNM/DGPC
Local:
Museu Nacional da Música, Lisboa