Saltar para o conteúdo principal da página
Património Cultural

Museu de Arte Popular

Inaugurado em 1948, o Museu de Arte Popular nasceu da reformulação do antigo pavilhão da “Secção da Vida Popular” criado para a Exposição do Mundo Português de 1940, com projeto da autoria dos arquitetos António Reis Camelo e João Simões. Foi concebido de acordo com o programa formulado, em 1946, por António Ferro, então diretor do Secretariado de Propaganda Nacional (SPN) sob a denominação de “Museu do Povo” e organizado de acordo com a divisão administrativa do território nacional da Constituição Portuguesa de 1933. Hoje assume-se como um lugar de encontro e diálogo de diversas áreas disciplinares, um museu-documento, um lugar da Memória que se projeta na contemporaneidade.

Para a data da sua inauguração, o edifício é adaptado a museu com projeto do arquiteto Jorge Segurado, em colaboração com o programa gizado pelo etnógrafo Francisco Martins Lage e pelo artista Tomás de Mello (Tom), conjugando elementos decorativos de gosto modernista com outros extraídos de uma estética mais tradicional. As diversas salas do MAP recriam as várias regiões do País. No exterior, o edifício é pontuado por composições em baixo-relevo que recriam cenas de temática rural.

No processo de criação do Museu de Arte Popular, o projeto contou, igualmente, com a colaboração de uma extensa equipa de “decoradores-pintores” constituída por Carlos Botelho, Eduardo Anahory, Estrela Faria, Manuel Lapa, Paulo Ferreira e Tomás de Mello (Tom).

Neste contexto, o Museu de Arte Popular apresenta um significativo conjunto de composições murais, caracterizando as diversas regiões do País, autênticos ensaios de pintura modernista que retratam o povo tanto na faina do quotidiano como nas festas e romarias de raiz popular.

O acervo do Museu de Arte Popular foi transferido em 2007 para o Museu Nacional de Etnologia, onde está acondicionado em diversos espaços de reservas, incluindo as reservas visitáveis "Galerias da Vida Rural"

Conteúdos editados pela DGPC/DMCC

Parta à descoberta com:

Contactos e
Localização

Tutela:
DGPC
Director(a):
Paulo Ferreira da Costa
Endereço:
Avenida de Brasília. 1400-038 Lisboa
GPS:
Lat: 38,69364286369719 Long: -9,208295394442757
Telf(s):
+351 213 011 282
E-mail:
geral@map.dgpc.pt
Site:
http://museuartepopular.wordpress.com/

Autocarros urbanos: 714, 727, 28, 751, 729. Autocarros da Linha de Sintra 113, 149
Eléctricos: 15
Barco: Transportes Fluviais Cais de Belém

Estacionamento: Próximo do Museu.

Quarta-Feira a Sexta-Feira: das 10h00 às 18h00; Sábado a Domingo: das 10h00 às 13h00; das 14h00 às 18h00. 

Encerrado: Segunda e terça-feira; 1 de janeiro, domingo de Páscoa, 1 de maio, 13 de junho, 25 de dezembro.

Ingresso

Bilhética on-line DGPC - adquira aqui

Exposição temporária "Um Cento de Cestos": 5 €

Condições de ingresso definidas pelo disposto pelo Despacho n.º 22/GDG/2021 do Diretor-Geral do Património Cultural, de 9.09.2021.

Isenções:

Exposição temporária "Um Cento de Cestos": Menores de 12 anosCondições de ingresso definidas pelo disposto pelo Despacho n.º 22/GDG/2021 do Diretor-Geral do Património Cultural, de 9.09.2021.

- Cedência de Espaços;

- Cafetaria;

- Loja;

- Serviço Educativo.


Consulte aqui:

 

             (atividades em destaque jan./jun. 2017)


Contactos /reservas:

Tel.: + 351 213 011 282

E-mail: servicoeducativo@map.dgpc.pt  

Para saber mais 

FAQ

 

Última actualização: 12 Janeiro 2022

Rede Portuguesa de Museus

A Rede Portuguesa de Museus (RPM) é um sistema organizado de museus, baseado na adesão voluntária, configurado de forma progressiva e que visa a descentralização, a mediação, a qualificação e a cooperação entre museus.

A Rede Portuguesa de Museus é composta pelos 161 museus que atualmente a integram. A riqueza do seu universo reside na diversidade de tutelas, de coleções, de espaços e instalações, de atividades educativas e culturais, de modelos de relação com as comunidades e de sistemas de gestão.

+ Monumentos e Museus DGPC