Saltar para o conteúdo principal da página

Iniciativas 08/11/2017

Ministério da Cultura/DGPC e Google celebram acordo que garante visibilidade mundial, através de imagens em alta resolução, às coleções dos museus e monumentos nacionais

As coleções dos museus, palácios e monumentos nacionais tutelados pela Direção-Geral do Património Cultural vão integrar uma plataforma online, que inclui as mais prestigiadas organizações culturais de todo o mundo, no âmbito de um acordo entre a DGPC e o Google Cultural Institute.

Este protocolo vai ser assinado na quinta-feira, 9 de novembro, às 17h30, no pátio do Palácio Nacional da Ajuda, em cerimónia presidida pelo Ministro da Cultura, Luís Filipe de Castro Mendes. O acordo será assinado pelo presidente da Google EMEA (Europe, the Middle East and Africa), Matt Brittin, e pela Diretora-Geral do Património Cultural, Paula Silva. Será seguido de um Porto de Honra.

Este evento antecede o jantar de encerramento da Web Summit no Palácio da Ajuda, a prestigiada conferência de tecnologia e empreendedorismo que pelo 2º ano consecutivo decorre em Lisboa.

Durante a sessão, e até ao início do jantar da Web Summit, serão projetadas na fachada do Palácio algumas das peças dos acervos nacionais que a Google vai disponibilizar online.

Nesta primeira fase a parceria com a Google abrange os acervos de 7 museus nacionais: Arqueologia, Arte Antiga, Arte Contemporânea/Chiado, Traje, Teatro e Dança, Azulejo e Coches. Até ao final de 2018 alargar-se-á ao conjunto dos museus, monumentos e palácios sob alçada da DGPC.

Os conteúdos em alta resolução que passam a estar permanentemente acessíveis online beneficiarão ainda da inclusão em exposições virtuais temáticas, possibilitando o enquadramento das coleções nacionais em contextos internacionais.

Este acordo insere-se no âmbito dos objetivos da Ação Cultural Externa, designadamente a projeção da cultura portuguesa no exterior, permitindo uma divulgação universal das obras de arte de excelência dos museus nacionais.

O Google Cultural Institute assegura o uso das tecnologias mais avançadas para digitalização de conteúdos em ultra resolução (gigapixeis), a visualização virtual de interiores e a captura de imagens panorâmicas. Estes recursos, que corporizam novas formas de fruição artística e de acesso ao conhecimento, posicionam Portugal na vanguarda da conquista de audiências globais em ambiente digital.