Saltar para o conteúdo principal da página

Projetos de Divulgação

Jornadas Europeias do Património

Apresentação

As Jornadas Europeias do Património são uma iniciativa anual do Conselho da Europa e da União Europeia que envolve mais de 50 países, no âmbito da sensibilização dos povos europeus para a importância da salvaguarda do Património. Neste sentido, cada País elabora anualmente um programa de actividades a nível nacional, a realizar em Setembro, acessível ao público gratuitamente.

A ideia base da iniciativa é promover o acesso aos monumentos e sítios, convidando à participação activa na descoberta de uma herança cultural comum, implicando o envolvimento dos cidadãos europeus com o património cultural. Os objectivos principais são reforçar os sentimentos de identidade cultural, de memória colectiva e de afirmação de um património comum cuja riqueza reside na sua diversidade. As Jornadas Europeias do Património representam, por isso, uma celebração da solidariedade internacional, do diálogo e da diversidade culturais, constituindo momentos de reapropriação dos vestígios culturais do passado.

European Heritage Days

As Jornadas Europeias do Património (2005 - 2014)

Entendendo o Património como um projeto de cidadania, a DGPC - Direção-Geral do Património Cultural (ex-IGESPAR, Ex-IMC) tem procurado apelar à participação do público através da sensibilização para a importância da sua preservação, salvaguarda e valorização. Enquanto coordenador nacional das Jornadas Europeias do Património, apresenta anualmente um programa diversificado e apelativo de atividades culturais contando com a indispensável colaboração de agentes públicos e privados.

O programa nacional de atividades expressa, todos os anos, de forma clara, os objetivos do Conselho da Europa, refletindo, de igual modo, os conceitos subjacentes aos temas escolhidos por esta Direção-Geral. O programa é, normalmente, composto por atividades culturais de diversas tipologias – visitas guiadas e temáticas; espectáculos artísticos (música, dança, teatro, circo, teatro de marionetas/fantoches); exposições; animação de rua, recriações e encenações históricas; workshops, palestras, conferências, debates e seminários; sessões de leituras de contos, poesia e lendas; rotas patrimoniais, itinerários culturais, peddy papers e rally papers; ateliers lúdicos e oficinas pedagógicas; jogos tradicionais, de época e jogos de descoberta; feiras e festivais; lançamento de publicações; documentários, filmes.

Coordenação nacional: DGPC/DDCI ; contacto: ddci@dgpc.pt

As JEP no Facebook

Comunidades e Culturas
Jornadas Europeias do Património 2016 

Este ano um número alargado de países membros do Conselho da Europa, entre os quais Portugal, partilhou o mote Património e Comunidades encontrando-se alinhado com as preocupações e objetivos expressos na Convenção de Faro.

O tema das JEP 2016, definido em Portugal foi escolhido com o objetivo de destacar e envolver as múltiplas formas de comunidade, comunidades locais, escolares, de bairro, clubes, associações de desenvolvimento, organizações não-governamentais, sejam de caráter cultural, religioso, filosófico, científico, desportivo ou recreativo, ou outras, preocupadas e vocacionadas para o conhecimento, proteção, desenvolvimento, utilização e organização dos seus próprios ambientes culturais, nas mais variadas formas. Hoje, muitas destas comunidades têm uma presença muito ativa nas redes sociais, na internet, agregando pessoas e grupos em torno de temas que respeitam às identidades de lugares, de cidades, a memórias de acontecimentos e a causas comuns.

Todas as comunidades possuem o seu património e os seus valores de referência, mas nunca é de mais recordar que não estão isoladas do tecido cultural, social e económico que as envolve e que as justifica. Compreender os elos de ligação entre o património e a(s) comunidade(s) contribui para a valorização da cultura nas suas múltiplas dimensões. 

Nestas JEP 2015 estiveram envolvidos 150 Concelhos, 600 entidades públicas e privadas em cerca de 800 atividades, distribuidas por 7 Animações de rua, 67 Ateliers lúdicos/oficinas pedagógicas/Workshops, 1 Concursos, 11  Documentários/filmes, 59 Encontros/Conferências/Seminários, 58 Espectáculos artísticos, 74 Exposições, 5 Feiras/festivais, 5 Jogos tradicionais, 17 Lançamentos de publicações,  10 Peddy papers/ rally papers, 11 Recriações e encenações históricas, 52 Rotas patrimoniais/itinerários culturais, 9 Sessões de leitura e 299 Visitas guiadas/percursos orientados, 79 visitas livres e 50 atividades variadas

Património Industrial e Técnico
Jornadas Europeias do Património 2015

Este ano um número alargado de países membros do Conselho da Europa, entre os quais Portugal, partilhou este tema, coincidindo com a comemoração do Ano Europeu do Património Industrial e Técnico.

O tema das JEP 2015 remeteu-nos para um vasto conjunto do nosso património; envolvendo-nos a todos, está permanentemente presente no nosso quotidiano, e foi-nos deixando um legado que se revela em edifícios, em máquinas, em obras de engenharia e de arquitetura, em utensílios, em infraestruturas no território, em registos e memórias de pessoas, testemunhos que foram desenhando o caminho para o modo como vivemos hoje.

Nestas JEP 2015 estiveram envolvidos 124 Concelhos, 423 monumentos e 651 entidades públicas e privadas em cerca de 655 atividades, distribuidas por 10 Animações de rua, 61 Ateliers lúdicos/oficinas pedagógicas/Workshops, 4 Concursos, 18  Documentários/filmes, 62 Encontros/Conferências/Seminários, 43 Espectáculos artísticos, 80 Exposições, 4 Feiras/festivais, 9 Lançamento de publicações, 6 Peddy papers/ rally papers, 4 Recriações e encenações históricas, 37 Rotas patrimoniais/itinerários culturais, 1 Sessões de leitura e 298 Visitas guiadas/percursos orientados            

Património, sempre uma descoberta
Jornadas Europeias de Património 2014

alt=

Com este tema pretendeu-se chamar a atenção para a permanente novidade que o Património Cultural encerra, sempre atualizado através de novo conhecimento, novos olhares e novas interpretações; de igual modo o enorme potencial do Património, construído ou imaterial, e a sua  importância determinante para um desenvolvimento harmonioso e equilibrado da sociedade, estão contidos neste tema.

Cerca de 500 actividades que se desenvolveram em todo o Território Continental e nas Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira, distribuídas por 130 concelhos, com a participação de 310 entidades públicas e privadas, oferecendo um programa vasto e diversificado que englobou, 7 animações de rua, 53 oficinas pedagógicas/workshops, 2 concursos, 11 projeções de documentários/filmes, 47 encontros/conferências, 59 espectáculos artísticos, 34 exposições, 6 feiras/festivais, 5 jogos tradicionais, 4 lançamentos de publicações, 17 peddy/rally papers, 6 recriações e encenações históricas, 23 rotas patrimoniais/itinerários culturais, 2 sessões de leitura, 198 visitas guiadas/percursos orientados, e 27 outras actividades variadas


Património Lugares
Jornadas Europeias do Património 2013

Cartaz das JEP2013

A Direção-Geral do Património Cultural, entidade responsável pela coordenação do evento a nível nacional propõe, para as Jornadas Europeias do Património de 2013, o tema  Património / Lugares, com o qual pretende chamar a atenção para a dimensão humana de que o património se reveste, expressa materialmente em espaços e paisagens – urbanos e não urbanos – que nos marcam, que exploramos e com que convivemos numa relação de proximidade.
Os lugares estruturam o desenvolvimento pessoal e social, sustentam identidades, exprimem a dimensão cultural da sociedade, interessando conhecê-los para além do aparente, para os podermos estimar e proteger; a importância dos lugares é a importância da nossa identificação e o nosso sentimento de pertença a algum sítio, tornando-se fundamental sensibilizar os cidadãos para a sua proteção através de ações que estimulem a aproximação física e emocional ao património.

As Jornadas Europeias do Património decorreram este ano nos dias 20, 21 e 22 de setembro, com cerca de 500 actividades distribuídas por 120 concelhos, com a participação de 340 entidades públicas e privadas, oferecendo um programa vasto e diversificado que engloba, 39 ateliers lúdicos/oficinas pedagógicas/workshops, 3 concursos, 7 documentários/filmes, 42 encontros/conferências/seminários, 35 espectáculos artísticos, 46 exposições, 3 feiras/festivais, 3 jogos tradicionais, 4 lançamentos de publicações, 15 peddy papers, 8 encenações e recriações históricas, 29 rotas patrimoniais/itinerários culturais, 2 sessão de leitura, 190 visitas guiadas/percursos orientados e 37 outras actividades variadas.


O Futuro da Memória

Jornadas Europeias do Património 2012

Cartaz das JEP2012

No ano de 2012, as Jornadas Europeias do Patrimonio celebraram-se, em Portugal, nos dias 28, 29 e 30 de setembro.
A Direcção-Geral do Património Cultural propôs o tema O Futuro da Memória, com o objectivo de promover a aproximação do público ao património cultural, realçando a sua importância enquanto memória e documento da história e do desenvolvimento das sociedades e, também, o seu papel para a construção do futuro.
Neste sentido, um total de 504 entidades públicas e privadas associaram-se ao evento, tendo sido realizadas 730 atividades, distribuídas por 157 concelhos de todo o país.”


Património e Paisagem Urbana
Jornadas Europeias do Património 2011

Cartaz JEP 2011

O tema das Jornadas Europeias do Património no ano de 2011 foi o Património e Paisagem Urbana,  e teve como objectivo sensibilizar os cidadãos para a necessidade de proteger e valorizar as características da paisagem nas cidades, vilas e aglomerados urbanos, entendida no seu sentido mais amplo. O património e a paisagem urbana são indissociáveis, a partir do momento em que a ideia de paisagem urbana é abrangente e reflecte todos os valores sociais, naturais, culturais, urbanísticos, arquitectónicos e arqueológicos que aí se encontram. O património e a paisagem urbana, nas suas múltiplas manifestações, documentando a história e o desenvolvimento da sociedade, contribuem, decisivamente, para a diferenciação de identidades. As cidades, vilas e aglomerados urbanos são recursos únicos que têm de ser protegidos e valorizados, apesar dos problemas que lhes são inerentes por serem organismos em constante transformação, como a desertificação dos centros históricos e tradicionais e a tendência para a sua descaracterização.
A 23, 24 e 25 de Setembro cerca de 500 entidades públicas e privadas distribuídas por 146 concelhos/localidades, incluindo as Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira, realizaram cerca de  590 actividades - cerca de 73 exposições, 70 conferências, 67 ateliers e workshops educativos, 65 espectáculos, 15 concursos de fotografia e 10 lançamentos de livros e 250 visitas guiadas e percursos orientados.


Património: Um Mapa da História
Jornadas Europeias do Património 2010

Cartaz JEP 2010

Em 2010, o tema escolhido pelo IGESPAR para as Jornadas Europeias do Património foi “PATRIMÓNIO: UM MAPA DA HISTÓRIA”, pretendendo-se, assim, qualificar a visita clássica aos locais patrimoniais, aprofundando o envolvimento do visitante. O Património, nas suas diferentes manifestações, documenta um percurso espaço-tempo das sociedades. Viajar pelas cidades, percorrer o território observando vestígios, interpretando os cenários urbanos e rurais de acontecimentos históricos e políticos, da humanização das paisagens, da produção técnica e científica, literária ou artística, é como ter, entre mãos, um inesgotável mapa que nos ajuda a entender de onde viemos e a escolher para onde podemos seguir.

Com o objectivo de incentivar o usufruto dos espaços patrimoniais, realizaram-se 620 actividades, com a participação de 400 entidades públicas e privadas, distribuídas por 225 concelhos/localidades.


Vi(r)ver o Património
Jornadas Europeias do Património 2009

Cartaz JEP 2009

O IGESPAR propôs, para 2009, o tema Vi(r)ver o Património, visando chamar a atenção para o facto de que é pretendido, actualmente, que o usufruto do Património pela sociedade tenha um maior alcance do que uma visita clássica aos locais patrimoniais.
Vir ver o Património significa, hoje, Viver o Património, tratando-se de uma experiência integral dos sentidos, da vivência quotidiana de um lugar. Esta vivência implica uma nova atitude de interacção dinâmica do visitante com o espaço patrimonial e um novo comportamento de apropriação e de envolvimento com a herança cultural.
Em 2009, as 450 actividades do programa abrangeram 148 concelhos/localidades e contaram com a participação de 340 entidades públicas e privadas.


No Património Acontece
Jornadas Europeias do Património 2008

As Jornadas Europeias do Património, em 2008, celebraram-se, em Portugal, nos dias 26, 27 e 28 de Setembro. Com o tema proposto pelo IGESPAR - “no património... ACONTECE” – pretendeu-se propiciar novas oportunidades de reencontro das pessoas e das comunidades com o mundo do património e dos monumentos, reforçando essa ligação através de acções que promovam a sua re-apropriação com um carácter efémero. Propôs-se, por isso, que fosse feito um especial investimento na implementação de actividades que estimulassem a aproximação e o envolvimento da população com o património, com o objectivo a dar a conhecer as potencialidades, de incentivar o acesso à oferta cultural e o usufruto dos espaços patrimoniais.

O programa nacional da Jornadas Europeias do Património, em 2008, constou de 600 eventos culturais, distribuídos por 483 monumentos/locais de 170 localidades de Portugal Continental e Insular, e contou com a participação de 388 entidades públicas e privadas. Em 2007, o programa foi constituído por 497 iniciativas culturais, que abrangeram todo o Território Continental e as Regiões Autónomas da Madeira e dos Açores, nomeadamente 85 localidades, e contou com a colaboração de 267 entidades públicas e privadas. Em 2006, as 550 actividades do programa distribuíram-se por 118 Localidades/Concelhos, tendo lugar em 400 locais/monumentos e contando com a participação de 188 entidades públicas e privadas. Em 2005 participaram cerca 90 entidades e o programa abarcou 65 Localidades/Concelhos nos quais foram apresentados 212 eventos culturais, em 132 locais.
Com efeito, de ano para ano, tem-se verificado um incomparável acréscimo do número de entidades participantes nas Jornadas Europeias do Património, bem como uma maior abrangência geográfica do Programa Nacional. Salientamos que este acréscimo representa um progressivo reconhecimento nacional da importância do projecto europeu, bem como a clara adesão a esta iniciativa coordenada pelo Igespar.


Património em Diálogo
Jornadas Europeias do Património 2007

Em 2007, o tema escolhido pelo IGESPAR para as Jornadas Europeias de 2007 - “PATRIMÓNIO em DIÁLOGO”, partiu da ideia-base de que todas as comunidades possuem os seus monumentos de referência, mas que é importante ter em consideração que tais realizações não estão isoladas do tecido cultural que as envolve e que as justifica. Pretendeu-se realçar os elos de conexão entre património, território envolvente e comunidade e, com o objectivo de contribuir para a valorização das paisagens culturais nas suas múltiplas dimensões - humana, cultural, simbólica e memorial -, convidou-se o público a “sair” dos monumentos e a tentar compreende-los nas múltiplas vertentes que caracterizam as suas envolventes. Encarando o património na sua escala territorial e multicultural, o IGESPAR procurou consagrar os princípios das mais recentes políticas do património através da valorização do património cultural como parte integrante dos “processos de planificação e gestão de uma comunidade” e como contributo para o desenvolvimento sustentável, qualitativo, económico e social.


Património [...] Somos Nós
Jornadas Europeias do Património 2006

Em 2006, o tema eleito - “Património [...] somos nós” - incidiu sobre a ideia de que o património é uma realidade viva que só adquire verdadeiro significado na sua relação com as pessoas e com as comunidades. Através de uma programação apelativa, dirigiu-se um convite ao público a envolver-se e a abraçar o património, chamando a atenção para o facto de se tratar de um importante elo de ligação entre gerações e privilegiando a Família neste processo de transmissão da herança cultural. 


A Música Encanta o Património
Jornadas Europeias do Património 2005

O tema nacional das Jornadas Europeias do Património de 2005 foi “ A Música (en)canta o Património”, conferindo especial atenção à proximidade entre Património e Música e procurando despertar o interesse para o Património Arquitectónico Português enquanto espaço aberto à criatividade, aos sentidos e à contemplação. Num cruzamento entre os dois universos, tangível e intangível, apresentámos o património como espaço envolvente, próximo, vivo e aberto à participação dos cidadãos. Através de um percurso estimulante pela vastíssima herança histórico-cultural portuguesa, o IGESPAR propôs, em associação com um grande número de entidades, uma diversidade de actividades e convidou o público a participar nesse desafio.

__________________________________________________________________

Dia Internacional dos Monumentos e Sítios

Apresentação

O Dia Internacional dos Monumentos e Sítios foi instituído em 18 de Abril de 1982 pelo ICOMOS e aprovado pela UNESCO no ano seguinte. A partir de então, esta data comemorativa tem vindo a oferecer a oportunidade de aumentar a consciência pública relativamente à diversidade do património e aos esforços necessários para o proteger e conservar, permitindo, ainda, chamar a atenção para a sua vulnerabilidade.

Representando um momento anual de celebração da diversidade patrimonial, pretende-se que o dia 18 de Abril funcione como um marco comemorativo do património nacional, mas que celebre, também, a solidariedade internacional em torno da salvaguarda e da valorização do património de todo o mundo.

18th April - The World Heritage Day

Dia Internacional de Monumentos e Sítios (2006 a 2016)

Entendendo o Património como um projecto de cidadania, a DGPC - Direção-Geral do Património Cultural (ex- IGESPAR ) – tem procurado apelar à participação do público na comemoração do Dia Internacional dos Monumentos e Sítios através da sensibilização para a importância da preservação, salvaguarda e valorização do património.

O programa nacional de atividades expressa, todos os anos, de forma clara, os objetivos do ICOMOS, refletindo, de igual modo, os conceitos subjacentes aos temas definidos pelo ICOMOS e seguidos por esta Direção-Geral. O programa é, normalmente, composto por atividades culturais de diversas tipologias – visitas guiadas e temáticas; espetáculos artísticos (música, dança, teatro, circo, teatro de marionetas/fantoches); exposições; animação de rua, recriações e encenações históricas; workshops, palestras, conferências, debates e seminários; sessões de leituras de contos, poesia e lendas; rotas patrimoniais, itinerários culturais, peddy papers e rally papers; ateliers lúdicos e oficinas pedagógicas; jogos tradicionais, de época e jogos de descoberta; feiras e festivais; lançamento de publicações; documentários, filmes.

Coordenação nacional: DGPC/DDCI" ; contacto: ddci@dgpc.pt

O DIMS no Facebook


Dia Internacional dos Monumentos e Sítios
Património Cultural e Turismo Sustentável - 18 de abril de 2017

Em 2017, o tema proposto para o DIMS pelo ICOMOS Internacional foi Património Cultural e Turismo Sustentável. Esta escolha enquadra-se na definição pelas Nações Unidas do Ano Internacional do Turismo Sustentável para o Desenvolvimento e no contexto da Agenda de 2030 e dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), aprovados pela Assembleia Geral da ONU em setembro de 2015, em reconhecimento ao grande potencial da indústria do turismo.

A DGPC, em colaboração com o ICOMOS Portugal, promoveu a divulgação deste tema com a finalidade de celebrar os benefícios de uma relação global entre o desenvolvimento do turismo sustentável e o património cultural, assente em três pilares essenciais: social, ambiental, e económico.

A interação entre o crescimento turístico e a conservação ambiental; a salvaguarda do património; a gestão dos recursos endógenos; a afirmação identitária das comunidades; a criação de serviços e emprego; a cooperação de vários intervenientes (residentes, decisores políticos, gestores patrimoniais, agentes turísticos, …); foram alguns dos aspetos destacados no âmbito do tema proposto.

Numa época de marcada globalização económico-cultural, a gestão, a salvaguarda, apresentação e interpretação do Património, constituem um fator chave para o Turismo sustentável, na medida em que valorizam as diferenças culturais e reforçam o conhecimento e o respeito entre os povos. 

Este ano participaram no DIMS, 670 entidades, distribuídas por 176 concelhos do Continente e Arquipélagos da madeira e dos Açores, com cerca de 910 atividades (406 Visitas/percursos orientados; 94 Rotas patrimoniais/ itinerários culturais; 85 oficinas pedagógicas/ workshops; 59 Exposições; 52 Conferências; 50 Espetáculos artísticos; 165 Outras atividades), o que reflete o crescente sucesso desta iniciativa junto das populações.


Desporto, um Património Comum
Dia Internacional de Monumentos e Sítios - 16, 17 e 18 de abril de 2016

Em 2016, as comemorações do Dia Internacional dos Monumentos e Sítios, 18 de abril, tiveram como mote Desporto, um Património Comum

Ao adotar o mote proposto para este ano pelo ICOMOS Internacional – o Património do Desporto, a DGPC, em colaboração com o ICOMOS Portugal pretendeu enaltecer a importância cultural e social do desporto, destacar o papel insubstituível, ao longo da história, de inúmeras associações, clubes, autarquias, museus e outras organizações, públicas e privadas, na formação e consolidação da identidade de comunidades locais, regionais e nacionais, e também fazer ressaltar as diferentes formas de expressão do património associado ao desporto, seja em edifícios, em tradições ou em registos de diferente natureza. 

Nos dias 16, 17 e 18 de abril, realizaram-se em todo Território Continental e Regiões Autónomas mais de 750 atividades, distribuídas por 152 concelhos e promovidas por 610 entidades públicas e privadas.


Monumentos e Sítios: Conhecer, Explorar, Partilhar
Dia Internacional dos Monumentos e Sítios - 18 de abril de 2015

Em 2015, o ICOMOS Internacional comemorou o seu 50º aniversário de existência. Associando-se a esta efeméride, a Direção-Geral do Património Cultural promoveu, em articulação com o ICOMOS Portugal, a programação do dia 18 de abril, subordinada ao tema Monumentos e Sítios: Conhecer, Explorar, Partilhar.

Conhecer, para melhor explorar a potencialidade dos recursos patrimoniais na sociedade contemporânea e partilhar o que nos rodeia, preservando a identidade local e a ligação às comunidades, face a um mundo cada vez mais globalizado, foram as motivações do DIMS 2015 celebrado em todo o Território Continental e Regiões Autónomas com mais de 600 atividades, distribuídas por 166 concelhos e promovidas por 622 entidades públicas e privadas.


Lugares de Memória
Dia Internacional de Monumentos e Sítios  -12 a 20 de abril de 2014

A Direção-Geral do Património Cultural (DGPC), em colaboração com o ICOMOS Portugal promove em Portugal o tema Lugares de Memória, dentro do espírito de que na multiplicidade de funções, idades ou lugares, o Património guarda em essência uma natureza evocativa e de celebração. Reencontrar os valores e as memórias no manancial da história do património é o mote essencial para as atividades a organizar neste Dia Internacional dos Monumentos e Sítios.

De 12 a 20 de Abril, por todo o Território Continental e Regiões Autónomas tiveram lugar 640 atividades distribuídas por 170 concelhos e promovidas por 345 entidades públicas e privadas.


Património+Educação=Identidade
Dia Internacional de Monumentos e Sítios 18 de abril 2013

O tema proposto para este ano pelo ICOMOS Internacional - 0 Património da Educação - teve como objetivo sensibilizar para a riqueza e complexidade do património relacionado com a educação nas suas várias expressões - edificado, móvel, integrado, arquivístico, iconográfico, fotográfico, imaterial e até urbano.

A Direção-Geral do Património Cultural promoveu em Portugal o tema Património + Educação = Identidade, focando a relação e a importância destas duas realidades paralelas. a do Património, nas suas diferentes facetas, e a da Educação, na sua vasta abrangência, fatores absolutamente indispensáveis na formação, na consolidação e na recuperação da Identidade, entendida aqui na sua aceção mais lata, a Identidade Cultural, expressa aos mais variados níveis.

Os desafios que se colocam às comunidades e às suas raízes identitárias, num mundo globalizado pela intensiva utilização das novas tecnologias e das comunicações em tempo real, levam-nos a questionar os limites que se nos colocam quotidianamente, quando confrontados com uma mediatização de referenciais standardizados. Reencontrar os valores e as memórias no manancial da história do património da educação, de que todos nós fizemos parte um dia e que hoje é um património vivo e utilizado, foi o mote essencial para as atividades organizadas neste Dia Internacional dos Monumentos e Sitios, que incluíram, naturalmente, também todas as habituais ações de sensibilização para o património.

Cerca de 490 atividades decorreram, por todo o Território Continental e Regiões Autónomas, para celebrar este  Dia Internacional dos Monumentos e Sítios 2013.
Distribuídas por 170 concelhos, 298 entidades públicas e privadas associaram-se à Direcção-Geral do Património Cultural ao ICOMOS Portugal nas comemorações deste ano.


Do Património Mundial ao Património Local: proteger e gerir a mudança
Dia Internacional de Monumentos e Sítios - 18 de abril de 2012

O tema proposto para este ano - Do Património Mundial ao Património Local: proteger e gerir a mudança -assinala uma relevante efeméride, o 40º aniversário da Convenção para a Proteção do Património Mundial, Cultural e Natural da UNESCO, no quadro da qual foi estabelecida a conhecida “Lista do Património Mundial”, tendo-se tornado um precioso instrumento para a cooperação internacional e nacional ao serviço da proteção e da valorização do património. A organização e discussão do Património Mundial, a nível internacional, vem-se refletindo na evolução de conceitos e metodologias, revertendo para as distintas realidades nacionais e para as práticas concretas e mais locais da conservação.
Ao mesmo tempo o tema proposto pretendeu chamar a atenção para o complexo desafio que hoje se coloca à proteção e gestão do património, numa época de marcada globalização económica e cultural, de profundas transformações sociais e de mudança de paradigmas. Os reflexos e relações entre as dimensões internacionais e as práticas locais, nos seus diferentes âmbitos e escalas, as necessárias novas abordagens perante os novos desafios que se colocam à salvaguarda do nosso património e à boa gestão dos inevitáveis processos de mudança darão, assim, o mote essencial para as atividades a organizar no Dia Internacional dos Monumentos e Sítios, que incluirão naturalmente as habituais ações de sensibilização para o património. 
Mais de 500 atividades marcaram, em Portugal, a 18 de Abril, o Dia Internacional dos Monumentos e Sítios.
Cerca de 304 entidades e 113 autarquias associaram-se ao IGESPAR,I.P. e ao ICOMOS Portugal nas comemorações deste ano.


Água: cultura e património
Dia Internacional dos Monumentos e Sítios – 18 de abril de 2011

Cartaz DIMS 2011

O tema escolhido para o Dia Internacional dos Monumentos e Sítios de 2011 - Água: cultura e património – constituiu uma oportunidade de reflexão sobre a água e o universo patrimonial que lhe está associado, e cujo valor deve ser reconhecido por todos.
A actividade humana relacionada com a água tem dado origem a elementos tão diversificados como as paisagens litorais, fluviais e subaquáticas, o património náutico, o património arquitectónico e arqueológico, o património industrial, não esquecendo a sua importância enquanto fonte de inspiração nas mais diferentes áreas de produção cultural (pintura, escultura, literatura, etc.).
Com base neste tema, 423 entidades públicas e privadas promoveram a realização de 510 actividades, que decorreram em 200 concelhos/localidades.


Património Rural/Paisagens Culturais
Dia Internacional dos Monumentos e Sítios – 18 de abril de 2010

Cartaz DIMS 2011

Para assinalar o Dia Internacional dos Monumentos e Sítios de 2010, e tendo por base a proposta do ICOMOS, o IGESPAR lançou o tema Património Rural/Paisagens Culturais.

A actividade agrícola, que testemunha há milénios a evolução das sociedades humanas, seus ambientes naturais, culturas e paisagens, tem conduzido à transformação gradual de espaços naturais e áreas selvagens através da aplicação de conhecimentos tradicionais e científicos. 
Tendo por objectivo sensibilizar do público para este universo patrimonial, foi apresentada uma programação que incluiu 480 actividades, distribuídas por 165 concelhos/localidades e que contaram com a participação de 420 entidades públicas e privadas.


Património e Ciência
Dia Internacional de Monumentos e Sítios - 18 de abril de 2009

Em complemento à declaração, pelas Nações Unidas, de 2009 como Ano Internacional da Astronomia, o ICOMOS elegeu “Património e Ciência” como tema estruturante do Dia Internacional dos Monumentos e Sítios de 2009, com o objectivo de proporcionar uma oportunidade de reflexão e de reconhecimento do papel da ciência (e da tecnologia) no património cultural, e, ainda, de incentivar a discussão sobre os potenciais benefícios da ciência no futuro no tocante à salvaguarda e à conservação do património.
O programa nacional do Dia Internacional dos Monumentos e Sítios de 2009 contou com cerca de 450 eventos culturais, distribuídos por 150 localidades e promovidos com a participação de 300 entidades públicas e privadas.
Com efeito, de ano para ano, tem-se verificado um incomparável acréscimo do número de entidades participantes nas actividades comemorativas do Dia Internacional dos Monumentos e Sítios, bem como uma maior abrangência geográfica do Programa Nacional.


Património Religioso e Espaços Sagrados
Dia Internacional de Monumentos e Sítios - 18 de abril de 2008

Em 2008, o tema eleito pelo ICOMOS - “Património Religioso e Espaços Sagrados” – teve como objectivo contribuir para o reconhecimento, protecção e valorização dos edifícios e obras de arte religiosas, bem como de todos os espaços investidos de valor sagrado pelas respectivas comunidades humanas. O dia 18 de Abril de 2008 foi uma ocasião para chamar a atenção pública para as várias dimensões do conhecimento, conservação e fruição deste vasto património que marca a paisagem do território português. O Igespar pretendeu incentivar a cooperação entre instituições através do estabelecimento de pontes e diálogos com autoridades religiosas, municípios, universidades, escolas, associações, e outras entidades, públicas e privadas, que aceitaram o desafio de desenvolver actividades e partilhar experiências que contribuíram para a salvaguarda e valorização do Património Religioso e dos Espaços Sagrados. O programa nacional foi constituído por 400 iniciativas culturais, que abrangeram todo o Território Continental e as Regiões Autónomas da Madeira e dos Açores, nomeadamente 150 localidades, e contou com a colaboração de 287 entidades públicas e privadas.


Território: um património plural
Dia Internacional de Monumentos e Sítios - 18 de abril de 2007

Em 2007, através do tema “Território: um património plural” explorou-se a ideia-base de que todas as comunidades possuem os seus monumentos de referência, mas que é importante ter em consideração que tais realizações não estão isoladas do tecido cultural que as envolve e que as justifica. “Sair” do monumento e tentar compreendê-lo nas múltiplas vertentes que caracterizam a sua envolvente, com metodologias de acção adaptadas à própria heterogeneidade dos “públicos do património”, foi o desafio lançado às comunidades e aos seus agentes dinamizadores. As 200 actividades do programa abrangeram todo o Território Continental e as Regiões Autónomas da Madeira e dos Açores, nomeadamente 60 Localidades/Concelhos, e contaram com a participação de mais de 100 entidades públicas e privadas.


Jovens de Hoje – Património de Amanhã
Dia Internacional de Monumentos e Sítios - 18 de abril de 2006

Em 2006, o tema “Jovens de Hoje – Património de Amanhã” proporcionou uma chamada especial de atenção para a desejável abertura dos Monumentos e Sítios às Escolas, às crianças e aos jovens, através de uma programação especial de cativação do público infantil e juvenil para o legado cultural, considerando que os sentimentos de identidade cultural e de pertença a um passado comum se desenvolvem, principalmente, na infância e na juventude, e que é a partir da educação e sensibilização dos mais jovens que se pode gerar uma sociedade mais solidária na defesa dos vestígios materiais do passado.

__________________________________________________________________

Dia Internacional dos Museus e Noite Europeia dos Museus

Apresentação

O Dia Internacional dos Museus é uma efeméride de grande tradição para o mundo dos museus, tendo a sua celebração tido início em 1977, por iniciativa do ICOM – Conselho Internacional de Museus. Em 2014, cerca de 35.000 museus de 100 países de todos os continentes participaram nas comemorações desta data.

A Noite dos Museus foi uma iniciativa proposta em 2005 pelo Ministério da Cultura e da Comunicação de França, recebendo igualmente o apoio do ICOM.

A Direção-Geral do Património Cultural (DGPC), na sequência do trabalho desenvolvido pelo Instituto Português de Museus (IPM) e do Instituto dos Museus e da Conservação (IMC), empenha-se em que estas datas sejam motivo de celebração em todo o País e que envolvam o maior número de museus portugueses, nomeadamente os integrados na Rede Portuguesa de Museus (RPM).


Museus e Histórias Controversas. Dizer o Indizível em Museus.
Dia Internacional dos Museus (18 de maio) e Noite Europeia dos Museus (20 de maio) 2017

Em 2017, o ICOM definiu para o Dia Internacional dos Museus o tema Museus e histórias controversas: dizer o indizível em museus, como mote para uma reflexão diferenciada do papel destes espaços nas comunidades e na sociedade em geral. 

São os museus locais que albergam histórias controversas? As comunidades de profissionais, estudiosos e amigos dos museus estão preparadas e disponíveis para debater estas problemáticas que, no passado e na atualidade, são fraturantes na sociedade? E o tratamento destes temas pode contribuir para um maior enraizamento dos museus na comunidade e para incrementar o seu papel na sociedade?

Em Portugal, esta abordagem teve como preocupação tornar os equipamentos museológicos integrados na Rede Portuguesa de Museus mais conhecidos, mais próximos e ativos, aprofundar a sua ligação com os visitantes e envolver novos públicos em torno do conhecimento das coleções e da salvaguarda e valorização do património cultural.

No sábado, 20 de maio, celebrou-se mais uma Noite dos Museus, iniciativa lançada em 2005 pelo Ministério da Cultura e da Comunicação de França. Nesta ocasião, os museus portugueses organizaram múltiplas atividades – espetáculos de teatro e dança, intervenções musicais, performances, visitas guiadas e encenadas, entre outras -, convidando os visitantes a usufruírem, no período noturno, de experiências culturalmente enriquecedoras. 

Este ano integraram estes eventos, 84 espaços museológicos, distribuídos por 46 concelhos do país, através da realização de 588 atividades dirigidas a diferentes públicos (375 no Dia dos Museus e 213 na Noite dos Museus), verificando-se um aumento significativo em relação ao ano anterior. 


Museus e Paisagens Culturais
Dia Internacional dos Museus (18 de maio) e Noite Europeia dos Museus (21 de maio) 2016

Em 2016, o Dia Internacional dos Museus e a Noite dos Museus realizaram-se nos dias 18 e 21 de maio respetivamente, sob o tema Museus e Paisagens Culturais, proposto pelo ICOM Internacional.

A escolha deste tema teve como principal objetivo promover a ideia de museu enquanto centro territorial de uma proteção ativa da paisagem cultural. A responsabilidade de zelar pela sua proteção e valorização cabe também aos museus, designadamente através da interpretação do património, do território e da paisagem, da transmissão deste conhecimento e da sensibilização das comunidades para o papel interventivo que podem desempenhar na sua conservação, valorização e enriquecimento.

A Direção-Geral do Património Cultural, coordenadora nacional do evento, convidou todos os espaços museológicos integrados na Rede Portuguesa de Museus a juntarem-se a estas duas iniciativas.

Em resultado, 80 museus, palácios e monumentos, inseridos em 48 localidades e 46 concelhos, realizaram cerca de 450 atividades. Deste total, 157 correspondem a iniciativas integradas na comemoração da Noite dos Museus.


Museus para uma sociedade sustentável
Dia Internacional dos Museus (18 de maio) e Noite Europeia dos Museus (16 de maio) 2015

Nos dias 16 e 18 de Maio comemoraram-se, respetivamente, a Noite dos Museus e o Dia Internacional dos Museus, contando com o envolvimento de numerosas instituições em Portugal. 

O tema proposto pelo ICOM para 2015 - Museus para uma sociedade sustentável- teve como objetivo promover a consciência para os efeitos da atuação humana sobre o ambiente, e destacar o papel dos museus no desenvolvimento de novos métodos de pensar e de agir, garantindo o respeito pelos limites e pela diversidade da natureza.

A Direção-Geral do Património Cultural, coordenadora nacional do evento, convidou todos os espaços museológicos integrados na Rede Portuguesa de Museus a juntarem-se a estas duas iniciativas.

Assim, em 2015, 70 museus participaram com cerca de 430 atividades muito diversas,promovendo experiências apelativas e fora da oferta habitual; destas atividades, mais de 140 realizaram-se na Noite dos Museus, permitindo ao público vivenciar os espaços numa perspetiva diferente, através de uma programação especialmente organizada para aquele ambiente e horário específicos.


 

Museus: As Colecções criam Conexões
Dia Internacional dos Museus (18 de maio) e Noite Europeia dos Museus (17 de maio) 2014

O tema definido pelo ICOM para as comemorações do Dia Internacional dos Museus em 2014 - Museus: as coleções criam conexões - recorda-nos que os Museus são instituições vivas que ajudam a criar laços entre visitantes, gerações e culturas em todo o mundo.

Como habitualmente, a Direção-Geral do Património Cultural participou ativamente na organização do Dia e da Noite dos Museus, dinamizando um conjunto variado de atividades e iniciativas nos seus museus e palácios nacionais, e articulou com os espaços museológicos integrados na Rede Portuguesa de Museus a celebração destas datas, procurando afirmar o papel das instituições museológicas na vida cultural e na dinamização das comunidades em que estão inseridos.


Museus (Memória + Criatividade) = Mudança Social
Dia Internacional dos Museus e Noite Europeia dos Museus (18 de maio) 2013

O Comité Consultivo do ICOM propõe o tema do Dia Internacional dos Museus com o objectivo de reforçar os laços dos museus com a sociedade.
Em 2013, o tema que norteou as comemorações do Dia Internacional dos Museus foi: Museus (Memória + Criatividade) = Mudança Social.
A riqueza e diversidade das coleções, estudadas, preservadas e expostas nos museus, em articulação com a vitalidade e criatividade que têm caracterizado o sector dos museus nos últimos anos, constituem os principais ativos deste sector. Reconciliar a conservação dos acervos, missão tradicional dos museus, com a criatividade necessária para divulgação de espaços e coleções, e captação e fidelização de públicos – este é o caminho que os museus estão a percorrer, seguros que a sua presença e atividade podem constituir-se como um importante elemento de transformação da sociedade num sentido construtivo.
O tema do Dia Internacional dos Museus 2013 procurou conciliar de forma dinâmica diversos pilares definidores dos museus contemporâneos, chamando a tenção para a natureza universal das instituições museológicas e para o seu impacto positivo nas comunidades. Esta conjugação de conceitos sintetiza a complexidade da missão e objetivos dos museus, sinalizando que estes estão destinados a contribuir para o desenvolvimento social.


Museus num Mundo em Mudança. Novos desafios, Novas Inspirações.
Dia Internacional dos Museus (18 de maio) e Noite Europeia dos Museus (19 de maio) 2012

Em 2012, celebrou-se o 35º aniversário da comemoração do Dia Internacional dos Museus.

O tema proposto para 2012 foi Museus num Mundo em Mudança. Novos desafios, novas inspirações.

Para as celebrações do 18 de Maio de 2012, o ICOM sugeriu cinco pontos relevantes para auxiliar na estruturação dos programas a desenvolver nesta ocasião:

  •  O papel dos museus na “nova sociedade”. Os Museus desempenham um papel fundamental no desenvolvimento através da educação. Eles são testemunhos do passado e guardiões dos tesouros da humanidade para as gerações futuras.
  •  A Sustentabilidade ambiental. Defensor do desenvolvimento sustentável e verdadeiro laboratório de boas práticas, o museu procura cada vez mais reduzir o seu impacto sobre o meio ambiente.
  •  Como Usar o Passado para Construir o Futuro? Os museus contribuem para a transmissão do património junto das gerações futuras e estabelecem um vínculo permanente com o passado graças a mensagens que têm impacto universal.
  •  Os Novos media. Os museus recorrem e tiram partido das novas tecnologias de comunicação.
  •  A Inovação. Os museus procuram inovar para responder às mudanças sociais e às expectativas dos seus visitantes.

Museus e Memória
Dia Internacional dos Museus (18 de maio) e Noite Europeia dos Museus (14 de maio) 2012 

O mês de Maio é marcado por duas importantes celebrações: a Noite dos Museus e o Dia Internacional dos Museus. 

A 14 de Maio, realizou-sea 7ª edição da Noite dos Museus, uma proposta do Ministério da Cultura e da Comunicação de França iniciada em 2005, a qual se têm juntado sobretudo os museus da Europa, incluindo os portugueses. 

O Dia Internacional dos Museus, iniciativa do ICOM – Conselho Internacional de Museus, celebra-se desde o ano de 1977 a 18 de Maio, com actividades muito diversificadas, este ano sob o tema Museu e Memória

Associando-se às celebrações, o ICOM Portugal organizou no dia 8 de Março as IX Jornadas ICOM dedicando-as ao tema “Museus e Memória: Os objectos contam a nossa história”. [http://www.icom-portugal.org]  

Museu e Memória – A memória é apanágio dos museus desde sempre. Os museus guardam memória/memórias. Constroem memória, despertam-na, informam-na, acrescentam-na, aprofundam-na, filtram-na, seleccionam-na, valorizam-na. As colecções e patrimónios, conceitos cada vez mais amplos, estão associados a memórias individuais e colectivas. Ajudar a interpretar, a compreender e a tornar acessíveis memórias ligadas a objectos, documentos, imagens, testemunhos orais e outros tantos suportes é, sem dúvida, tarefa quotidiana dos museus.

O ICOM sugere alguns tópicos para pensar o tema “Museus e Memória”:

- preservação e acesso a colecções e a documentação;
- história do museu: qual é o objecto do museu?
- memória esquecida;
- relação memória, comunidade e identidade, incluindo identidade familiar;
- contributo cultural de África para o mundo

Evolução dos públicos do Dia e da Noite dos Museus (consulte: anexo pdf. )

_______________________________________________________________

(a)Riscar o Património

O projecto (a)Riscar o Património é uma iniciativa da Direcção Geral do Património Cultural, que teve início em 2014 com a parceria dos Urban Sketchers Portugal. Consiste em reunir no mesmo dia, mas em sítios diferentes, sketchers, ilustradores, artistas ou simples amantes do desenho, segundo tema sempre enquadrado nas comemorações das Jornadas Europeias do Património (JEPs). O entendimento do desenho enquanto meio de expressão ancestral, privilegiado, versátil e intemporal, permitindo um olhar mais atento e a descoberta de pormenores que a fotografia nem sempre revela abre caminho para outras associações: reunir a representação do património ao desenho – na sua vertente mais imediata e espontânea, enquanto registo do olhar, memória fugaz de um tempo e de um sítio, figuração instantânea duma realidade e dum momento – parecia, assim, quase uma evidência. Através do desenho – ou, concretamente, do “sketching” – é possível uma outra representação do património e uma leitura mais descontraída, longe da carga de monumentalidade e “peso” que a própria palavra acarreta. A associação com os “Urban Sketchers Portugal” - que, seguindo uma tendência que poderemos considerar quase planetária, se desdobram em encontros, workshops, edições e exposições - foi o passo natural para iniciar este projecto: através deles, bebendo um pouco dessa dinâmica, usufruindo da existência de uma comunidade de amantes do desenho já estabelecida mas sempre em crescimento e aproveitando, em simultâneo, as potencialidades e o carácter “desenhável” do património, criou-se uma iniciativa que, em 2016, entra na sua terceira edição. 

(a)Riscar o Património é um projecto aberto, que pretende promover a interacção entre o observador/desenhador e o Património nas suas diferentes facetas; quer pelo olhar e registo gráfico de cada um, quer pela partilha de desenhos e descobertas, conhece-se, dá-se a conhecer, criam-se laços e evolui-se. Os participantes comparecem no local combinado à hora marcada, reúnem-se e desenham: sozinhos ou em grupo, percorrendo (ou não) o itinerário sugerido ou simplesmente descobrindo motivos dentro do tema proposto. Desenhar o que nos rodeia, tendo sempre como baliza a ligação ao tema proposto, possibilita a descoberta e o conhecimento.

A ligação às Jornadas Europeias do Património - um evento que engloba toda a comunidade europeia - cria uma rotina saudável e um calendário que acompanha as comemorações e manifestações culturais que se realizam um pouco por todo o lado. Em 2016 foi abordado o tema “Comunidades e Culturas”, em 2015, o tema “Património Industrial” em que os participantes descobriram e criaram belíssimas representações de fábricas, escolas, moinhos, portos e zonas industriais ou portuárias, com que todos nos cruzamos no nosso quotidiano sem realmente os vermos e apreciarmos.

As edições de 2014 e 2015 tiveram lugar nas cidades de Viana do Castelo, Porto, Coimbra, Montemor-o-Velho, Tomar, Torres Vedras, Lisboa, Castelo Branco, Évora, Funchal e Ponta Delgada, juntando-se este ano as participações do Algarve, em S. Brás de Alportel, Entroncamento, e Angra do Heroísmo, na Ilha Terceira, Açores. Em cada cidade um “anfitrião” previamente seleccionado escolhe um percurso adequado ao tema, acolhe os participantes, divulga, dinamiza localmente, regista e fotografa o encontro. Do conjunto de trabalhos resultantes dos encontros, é feita uma selecção, que constitui a base de uma exposição itinerante, enriquecida todos os anos com os desenhos das edições mais recentes. Esta exposição foi inaugurada em Setembro de 2015, em Lisboa, no Museu Nacional de Arqueologia com assinalável sucesso. Segundo dados deste Museu, terão passado naquele espaço e visitado a exposição cerca de 23500 pessoas. Transitou posteriormente para Coimbra, para o Museu Nacional Machado de Castro, para a Galeria Municipal de Torres Vedras, para a Biblioteca Municipal de Castelo Branco, e para a Galeria da Casa de Burgos, em Évora.

Paralelamente foi criado um blog que dá todas as informações sobre a iniciativa (a)Riscar o Património, sendo actualizado com frequência: https://ariscaropatrimonio.wordpress.com/

A organização deste evento pretende aproveitar a relação privilegiada entre património e desenho, sensibilizar cada vez mais a comunidade para a importância e a diversidade das realidades que nos envolvem, construir um banco de desenhos de registo sobre o nosso Património e promover paralelamente outras actividades como encontros, debates e publicações. O objectivo é chegar a todos os distritos do país, possibilitando uma participação cada vez mais alargada e um conhecimento sempre mais atento do património e do território que nos envolve.

Todos são capazes de riscar, mesmo que pensem que não riscam o suficiente: falta, por vezes, arriscar. Só assim se pode descobrir o mundo através do desenho.

_______________________________________________________________


Programa de Rádio 

Encontros com o Património

Integrar o Património Cultural no quotidiano é um desafio que se coloca, hoje em dia, à administração central e local, ao definir as políticas de âmbito cultural, de ordenamento do território ou ambiental, e que deve ser encarado como um contributo essencial para a prossecução de um desenvolvimento sustentável.

A manutenção de um conjunto de valores associados ao Património Cultural surge natural através da sua incorporação nos desígnios do presente, permitindo, simultaneamente, uma regeneração de espaços e ideias que contribuem para o aumento da qualidade de vida dos cidadãos. Esta apetência cultural, social, ambiental e económica do património amplia os desafios que se colocam ao modo como hoje se entende a sua salvaguarda, ao mesmo tempo que os monumentos já reconhecidos como o ex-libris da identidade nacional devem perpetuar essa sua já consentida vocação pedagógica, didática ou turística, implicando uma clara definição de programas integrados de manutenção, conservação, valorização e comunicação..

Aproximar a população em geral das preocupações referenciadas acima e transmitir a um público, cada vez mais vasto, que a preservação do património cultural edificado, urbano, arqueológico, paisagístico e imaterial exige uma ação conjunta e uma mudança de atitude que valorize esta herança comum, é uma das missões da Direção-Geral do Património Cultural.

Para a concretização deste objetivo o IGESPAR, em 2007, iniciou uma parceria com a TSF, desenvolvendo um projeto de difusão alargada do património através do Programa de Rádio Encontros com o Património, projeto prosseguido pela DGPC.

Na génese deste projeto encontravam-se diferentes desafios:
i) chegar a um público diversificado e numeroso;
ii) difundir o património através de outro meio de comunicação que divergisse dos suportes geralmente utilizados;
iii) manter uma regularidade de emissões que permitisse que a mensagem fosse constantemente audível, de modo a criar um público interessado por esta temática;
iv) divulgar a diversidade e multiplicidade do património, evidenciando as tipologias e categorias distintas, bem como a amplitude das disciplinas intervenientes no seu estudo e das potencialidades da sua fruição e habitabilidade;
v) gravar, os programas sempre que possível, no local, de modo a captar os sons que habitam e definem a especificidade de cada lugar, o que excede largamente o edificado;
vi) convidar um leque alargado de profissionais que trabalham no, com e para o património, ou de responsáveis pela sua gestão;
vii) relevar, sempre que possível, datas e comemorações de âmbito nacional ou internacional relacionados com o património, como o Dia Internacional de Monumentos e Sítios ou as Jornadas Europeias do Património; o Dia Internacional dos Museus, Noite Europeia dos Museus
viii) fornecer informação atualizada, rigorosa, e acessível, com o objetivo de captar e fidelizar um público cada vez mais vasto e despertar na população o interesse para o património.

Encontros com o Património definiu-se então como um programa semanal de rádio, emitido aos sábados entre as 12h00 e as 13h00, e reemitido no dia seguinte entre a 01h00 e as 02h00, caracterizando-se pela participação de diversos convidados que, durante 50 minutos, percorrem os aspetos mais significativos ou singulares do tema proposto.

A primeira série teve início a 10 de Novembro de 2007, tendo até hoje sido emitidos neste 7 anos cerca de 300 programas com a participação de cerca de 1000 convidados, abordando-se temas tão diversos como barragens, castelos, palácios, quintas de recreio, vilas, museus, conventos, faróis, minas, património arqueológico, igrejas, cidades, arquitectura, património mundial, paisagens classificadas ou cafés; temas que retratam quer a diversidade do património existente no continente, como nas ilhas dos Açores e da Madeira, quer a plural herança que os portugueses legaram no Brasil, na ilha de Moçambique, no norte de África ou na Índia.

Encontros com o Património ganhou em 2010 o prémio Autores (SPA) para o Melhor Programa de Rádio e duas Menções Honrosas, uma atribuída no âmbito do Prémio Nacional de Ambiente Fernando Pereira 2009/2010 e outra pela APOM, na categoria de melhor trabalho jornalístico, esta última de novo entregue pela APOM em 2012. 

Em 2014 recebeu o prémio do Património Cultural da União Europeia/Prémios Europa Nostra na categoria Educação, formação e sensibilização.

A primeira série teve início a 10 de Novembro de 2007, tendo até hoje sido abordados, nestes 8  anos, cerca de 285 temas com a participação de cerca de 1040 convidados. Foram tratandos temas tão diversos como barragens, castelos, palácios, quintas de recreio, vilas, museus, conventos, faróis, minas, património arqueológico, igrejas, cidades, arquitetura, património mundial, paisagens classificadas ou cafés, que retratam quer a riqueza e diversidade do património existente no continente e nas ilhas dos Açores e da Madeira, quer a plural herança que os portugueses legaram um pouco por todo o mundo.

Em 2014 recebeu p prémio do Património Cultural da União Europeia/Prémios Europa Nostra  na categoria Educação, Formação e Sensibilização.

Em 2010 recebeu o prémio Autores (Sociedade Portuguesa de Autores) para o Melhor Programa de Rádio e duas Menções Honrosas, uma atribuída no âmbito do Prémio Nacional de Ambiente Fernando Pereira 2009/2010 e outra pela APOM, na categoria de melhor trabalho jornalístico, esta última de novo entregue pela APOM em 2012. 

Link para a página do programa no site da TSF: http://www.tsf.pt/programa/encontros_com_o_patrimonio.html - aqui encontra a emissão mais recente e todo o histórico dos programas já emitidos; é uma página para audição online, no site, e não permite fazer o download do programa.

Link para o podcast do programa: http://feeds.tsf.pt/Tsf-EncontrosPatrimonio - este link é o que permite descarregar os programas. Pode ser usado num player como o iTunes ou semelhante, fazendo a subscrição de podcast; em qualquer leitor de Feeds RSS; ou num browser que suporte feeds RSS.

Organização: Direção-Geral do Património Cultural / Divisão de Documentação, Comunicação e Informática.

Parceria: Direção-Geral do Património Cultural/TSF Rádio Notícias

Patrocínio: Lusitania Seguros

Coordenação geral: Manuel Lacerda

Conceção e Coordenação de conteúdos: Margarida Donna-Botto, Sandra Vaz Costa; Manuel Lacerda

Condução e edição do programa: Manuel Vilas Boas

width=


Num instante... o Património!
Experiência Fotográfica Internacional dos Monumentos

Um dos eixos estratégicos da atuação do Instituto de Gestão do Património Arquitetónico e Arqueológico e da Direção-Geral do Património Cultural (Ex- IGESPAR e Ex-IMC) diz respeito à sensibilização do público para a importância do património cultural como fator de reforço de identidades; dentro desse âmbito, os projetos direcionados para as camadas mais jovens da população têm vindo a desdobrar-se em iniciativas que procuram aproximar este público, em particular, com a história e com a herança cultural. O património e os monumentos constituem um grande potencial de aprendizagem e conhecimento.

Num instante... o património! é uma proposta de criação artística fotográfica, promovida pela DGPC, que tem contado com o apoio da SAPO (2008-2013) e mais recentemente da Olhares.com (2014), no âmbito do projeto europeu “Experiência Fotográfica Internacional dos Monumentos” (EFIM), desenvolvido pelas autoridades da Catalunha (Espanha), desde 1992, com o apoio do Conselho da Europa.

Este passatempo tem como objetivo despertar os jovens portugueses residentes em território nacional (14-21 anos) para o envolvimento com a riqueza da história e da paisagem cultural, com o passado e o presente através do registo fotográfico, tendo como fonte de inspiração um elemento patrimonial. Num convite à livre expressão da criatividade e da imaginação, propõe-se uma redescoberta do património em Portugal através da reprodução do preciso instante do contacto com a paisagem cultural. Trata-se de um passatempo desenvolvido exclusivamente através da internet.

Para concorrer, os jovens devem até um máximo de 5 fotografias, constituindo critérios de apreciação por parte de um júri escolhido pela DGPC: a criatividade e imaginação, a qualidade técnica e artística, a originalidade da abordagem ao tema, a capacidade de comunicação patente numa nova interpretação do património.

Aos dois vencedores são atribuídos prémios (ex. uma máquina fotográfica digital, um telemóvel e ainda outros brindes) e para além disso, as duas fotografias selecionadas representam Portugal internacionalmente na edição digital EFIM e numa exposição em Estrasburgo, no Palácio da Europa, a inaugurar no final de cada ano, juntamente com os trabalhos vencedores dos outros concursos nacionais.

A primeira edição deste passatempo, criado pelo ex- IGESPAR, decorreu em 2008 e tem vindo a repetir-se todos os anos.


10ª Edição - 2017 - EFIMPortugal Num Instante...o Património! - Novo Passatempo Instagram


9ª Edição - 2016 - Num Instante...o Património!

Em 2016, entre o vasto número de participantes, foram eleitas duas fotografias que espelham visões, sensibilidades e abordagens artísticas distintas na perceção do Património Cultural. Na primeira, o coruchéu do Palacete Silveira e Paulo (Angra do Heroísmo – Açores), testemunho de um período fugaz de opulência e esplendor, enquadrado pelo azul brumoso das ilhas, reúne com particular precisão diferentes materiais, formas e cores; elementos que valorizam e caracterizam esta original construção. Por sua vez, a fotografia A lost window like me ilustra uma nesga de modernidade com vista para o casario envolvente – metáfora poética para a delicada relação entre a assumida contemporaneidade do Museu Nacional dos Coches e a cidade que se espraia pelas ruas limítrofes (Lisboa - Belém). 

As fotografias premiadas sobressaem sobretudo pelo enquadramento de um olhar original, que foca a nossa atenção para detalhes arquitetónicos e contrastes lumínicos diferentes.


8ª Edição – 2015 - Num Instante … o Património!

Em 2015, as três fotografias distinguidas correspondem aos critérios solicitados, refletindo, na sua diversidade, o poder da imagem como meio privilegiado de captar momentos e transmitir emoções numa abordagem diferente ao tema do património.

A fotografia vencedora, Outra vez te revejo… Castelo, salienta o valor de um pormenor - no Castelo de S. Jorge, em Lisboa - como símbolo de uma realidade que extravasa o campo de visão da fotografia, numa composição invulgar e tecnicamente bem executada, que surpreende pela originalidade técnica e artística.

Na segunda fotografia Contrastes, sobressai o rigor de um enquadramento arquitetónico onde, em pano de fundo, se destaca a Torre do Relógio na cidade da Horta, Ilha do Faial – Açores, sublinhando os ritmos, a escala e a materialidade da construção, num interessante efeito de claro-escuro.

A terceira fotografia, Moldura, apresenta numa justaposição de planos, elementos diversos que compõem um quadro em que o longe e o perto coabitam com elegância, aproximando duas referência patrimoniais dos dois lados do Tejo: o Museu Nacional de Arte Antiga e o Cristo-Rei.


7ª Edição – 2014 - Num Instante … o Património!

As duas fotografias premiadas em 2014, entre o significativo conjunto apresentado, evidenciam-se por revelarem uma qualidade que se traduz, em especial, na escolha do objeto central da imagem captada, no tipo de enquadramento obtido, na oportunidade do momento do registo e na procura do insólito, traduzindo duas leituras e duas sensibilidades bem distintas. 

Em vaguear em Vidas, sobressai o rigor de uma interpretação fotográfica a preto e branco de um espaço arquitetónico, sublinhando de uma forma notável os ritmos, a materialidade da construção e a escala, num enquadramento notável. Por sua vez, na fotografia Arco-Íris, denota-se o registo instantâneo da transfiguração do marco simbólico urbano durante um festival de luz, no preciso momento em que mais um elemento emblemático da cidade – o elétrico – é captado em movimento. 


6ª Edição – 2013 - Num Instante … o Património!

Com um considerável número de jovens participantes, a edição portuguesa 2013 resultou na seleção de duas fotografias vencedoras que remetem, curiosamente, para duas visões, duas abordagens e duas sensibilidades distintas, mas complementares na perceção do próprio universo do património cultural : i. uma referência instantânea ao património urbano da Baixa Lisboeta, desmaterializando a forma urbana e remetendo para um ponto de vista mais abstratizante da realidade ; ii. Um olhar sobre o património monumental em processo de recuperação, integrando uma composição visual relevando e colocando em confronto diferentes materialidades. Jovens e diferentes sensibilidades que exprimem, contudo, o mesmo grau de atenção.


5ª Edição – 2012 - Num Instante … o Património

As duas fotografias seleccionadas demonstram um olhar atento à paisagem urbana e uma atenção ao pormenor, resultando numa reinterpretação da realidade quotidiana e na expressão de apropriação do património monumental por parte dos seus autores. Ambos apresentam uma visão pessoal e sensitiva de ícones emblemáticos da cidade de Lisboa, capital de Portugal acrescentando novos ângulos a conhecidos enquadramentos históricos e relembrando a constante possibilidade de descoberta de uma cidade, quando se percorrem as suas esquinas do tempo com um olhar desperto.

Em Reflexos, encontramos a subtileza de um instante que deixa adivinhar a cúpula de um monumento numa irregular poça de água. A inversão dos sentidos revela um fragmento do Panteão Nacional de Lisboa conferindo-lhe um enquadramento artístico arriscado e pouco convencional, onde se destaca a fluidez da luz espelhada na água e um ambiente etéreo que contrasta com a textura real e dura da terra do pavimento. Uma imagem fragmentária que testa a visão e que apela à ilusão.

A atenção do olhar e o gosto pelo pormenor são revelados na imagem da Baixa Pombalina de Lisboa, intitulada Detalhes interessantes. Numa composição rica em detalhes e, simultaneamente, sóbria, o equilíbrio advém das linhas geométricas, definidas pela fachada do edifício do Museu do Design e da Moda e pelo topo do Arco da Rua Augusta, que enquadram a suspensão de um candeeiro em ferro forjado típico dos bairros antigos da cidade. Assim, numa reprodução criativa do majestoso arco triunfal, o candeeiro, em primeiro plano, assume um papel central na fotografia, enquanto o arco neoclássico lhe serve de moldura inferior, conferindo uma minuciosa trama escultórica à imagem.


4ª Edição – 2011 - Num Instante … o Património

Celebrando as origens históricas da formação de Portugal através da escolha de um elemento patrimonial emblemático e clássico – um castelo –, as duas fotografias eleitas em 2011, retratam a arquitetura militar da época medieval. Refletem a cenografia contemporânea da paisagem cultural e remetem-nos para as histórias de aventura e fantasia. As duas surpreendem-nos pela diferença de perspetiva, revelando olhares artísticos marcadamente pessoais de um objeto fotográfico semelhante.

Na fotografia a preto e branco do Castelo de Noudar sobressai o contraste luminoso, a sombra projetada no interior da alcáçova permite-nos adivinhar os contornos da torre de Menagem, cujas ameias parecem prolongar-se na sombra das três figuras, silhuetas que se misturam e nos confundem. A luz rasante ilumina as pessoas sentadas ao fundo da escadaria de acesso à torre, integrando-as no espaço de um outro tempo.

Na imagem do Castelo de Almourol, a muralha com o torreão adossado projeta-se sobre a água do Tejo, evocando a memória da reconquista cristã e o imaginário das façanhas dos cavaleiros templários. A força estática e intemporal da muralha contrasta com a fluidez e leveza do movimento da embarcação. A cor dourada da face do torreão destaca-o da planura profunda do rio, num ambiente bucólico.


3ª Edição – 2010 - Num Instante … o Património

As duas fotografias selecionadas revelam uma sensibilidade artística que resultou num cruzamento real entre a arte e o património e demonstram uma grande coerência com o conceito e os objetivos da iniciativa “num instante… o património”. Celebrando o conceito de património em imagens a preto e branco, ambas transmitem a ideia da história e da passagem do tempo, da sucessão contínua de passado e presente, da sensação de um tempo indefinido. As duas imagens surpreendem-nos pelo enquadramento do olhar e pelo contraste lumínico típico da fotografia clássica a preto e branco. A imagem da Torre de Menagem do Castelo de Palmela regista as marcas do tempo nas texturas da pedra, na sucessão dos planos, no movimento das linhas horizontais e verticais. A fotografia do relógio da estação ferroviária da cidade de Coimbra eterniza o exato instante marcado pelo ponteiro do relógio, capta a inversão e a paragem do tempo e subverte a visão convencional do objeto; a medida do tempo num local simbólico marca os compassos de viagem, de passagem, de chegada, de partida…


 

2ª Edição – 2009 - Num Instante … o Património

Na edição de 2009, as fotografias premiadas revelaram duas perspectivas complementares sobre o património arquitectónico; por um lado, o património monumental integrado no contexto urbano, captando fotograficamente uma ambiência e identidade características, salientadas pelo contraste lumínico do perfil do edificado cruzado pelas catenárias dos eléctricos lisboetas; por outro o detalhe do interior de um Palácio no Buçaco, transmitindo uma intensa carga intimista, subvertendo o olhar habitual do espectador através de uma nova apropriação da imagem da arquitetura e captando o ambiente romântico do espaço. As duas fotografias destacam-se, assim, das outras concorrentes pela originalidade do olhar, levando-nos a focar a atenção seja em pormenores, superfícies, materiais, formas, texturas, seja na luz, nas sombras, nas envolventes e nos enquadramentos monumentais.

Fotografias premiadas em 2009


1ª Edição – 2008 - Num Instante … o Património

As fotografias premiadas em 2008 destacaram-se do conjunto apresentado a concurso por revelarem uma qualidade que se traduz, em particular, na escolha do objeto central da imagem captada, no tipo de enquadramento e na definição da composição: ora acentuando e jogando com o efeito de contraste entre a estrutura monumental da cúpula do Panteão Nacional e a linha desordenada do contexto, o casario da cidade histórica, a que não falta a pontuação das suas vivências quotidianas, efetuando uma síntese do universo do património urbano, ora realçando a identidade gráfica das linhas ondulantes dos blocos de granito da serra de Sintra e da cinta muralhada do Castelo dos Mouros, transpondo para o registo fotográfico, numa perspetiva inesperada, a intensidade telúrica do sítio.

Ambas traduzem de um modo especial a extensão e a complexidade dos valores do património, trazendo o passado ao nosso presente, mantendo vivas as maiores criações do génio humano e as suas marcas na cidade e na paisagem.

Fotografias premiadas em 2008


A Minha Escola Adota um Museu, um Palácio, um Monumento...

O Concurso A minha escola adota um museu, um palácio, um monumento... é uma iniciativa promovida conjuntamente pela Direção Geral do Património Cultural (DGPC)e a Direção-Geral de Educação (DGE). 

Iniciado no ano letivo de 2005-06, com a designação A Minha Escola adota um museu, o concurso começou por ser promovido pelo Instituto Português dos Museus (IPM) e a Direção Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular (DGIDC) , dependentes respetivamente do Ministério da Cultura e do Ministério da Educação , propondo aos alunos dos Ensinos Básico e Secundário a elaboração de trabalhos criativos, a partir de testemunhos dos acervos dos museus da Rede Portuguesa de Museus (RPM). 

Desenvolvido e adaptado ao longo das suas várias edições, em 2009 passou também a contar com a participação do Instituto de Gestão do Património Arquitetónico e Arqueológico (IGESPAR), que se juntou ao Instituto Português de Museus,agora designado ,Instituto dos Museus e da Conservação (IMC). 

A partir de então passou  a chamar-se A minha escola adota um museu, um palácio, um monumento..., abarcando igualmente os monumentos tutelados pelo IGESPAR e integrando-se no Programa de Educação Estética e Artística, desenvolvido em contexto escolar pela DGIDC.

Através da realização de trabalhos criativos no âmbito das áreas da escrita, artes visuais, artes performativas, fotografia, vídeo e multimédia, este concurso tem procurado estimular o conhecimento da realidade museológica e patrimonial do nosso País junto dos mais jovens, de forma a sensibilizar esta geração para o conhecimento, a conservação e valorização do património cultural. Para além disso, este tem procurado expandir e reforçar a cooperação entre as entidades culturais e educativas envolvidas, dinamizando desta forma o contacto das Escolas do Ensino Básico , Secundário e Ensino Especial, com os museus da RPM e os palácios e monumentos da DPGPC .

Os trabalhos apresentados a concurso são sempre objeto de avaliação por parte de um júri escolhido entre personalidades de reconhecido desempenho nas várias áreas a concurso , e de apresentação final em exposição num museu (RPM), palácio ou monumento (DGPC) no âmbito do dia Internancional dos Museus, seguindo em itinerância por vários museus até à nova edição.

Coordenação – Graça Mendes Pinto

Em anexo: PDF – regulamento 2013-14  |  Cartaz (parede)