Saltar para o conteúdo principal da página
Património Cultural

Museus, Monumentos e Palácios 19/09/2022

Rede Portuguesa de Museus | Credenciação de novos museus

Foi publicado em Diário da RepúblicaDespacho n.º 11237/2022, de 19 de setembro de credenciação e consequente integração na Rede Portuguesa deMuseus o Museu SportingMuseu de MarinhaMuseu da Ciência da Universidade de Coimbra e Museu Municipal De Arqueologia De Silves.

Rede Portuguesa de Museus passa, assim, a ser constituída por 165 museus.  

Os museus credenciados são reconhecidos pelo seu compromisso com as funções museológicas previstas na Lei Quadro dos Museus Portugueses, o que se traduz num trabalho qualificado na promoção do acesso à cultura e no enriquecimento do património cultural.
A Rede Portuguesa de Museus caracteriza-se pela diversidade de sistemas de gestão, tutelas, coleções, espaços, instalações, programas educativos e culturais e modelos de relação com as comunidades que compões o seu universo.
A singularidade dos projetos destes 4 museus traduz bem esta pluralidade multidisciplinar.
Museu Sporting

O Museu Sporting é um museu privado, tutelado pelo Sporting Clube de Portugal.

Tem como missão o estudo, a comunicação e a preservação do património histórico do Clube e o seu contributo para o desenvolvimento desportivo. Retrata a sua identidade e memória desde a sua fundação, em 1906, até aos dias de hoje.

As origens do Museu remontam à instalação de uma Sala de Troféus na então Sede do Clube, na Rua do Passadiço em Lisboa, inaugurada em 1947, seguindo a tendência internacional que levou os clubes desportivos a guardar sistematicamente objetos associados a conquistas de títulos ou a recordes alcançados no âmbito da competição desportiva.

Como instituição assumidamente museológica, foi inaugurado a 31 de agosto de 2004, com a designação Museu Mundo Sporting. A designação atual, Museu Sporting, data de 2016, ano em que foi repensado o Programa Museológico e se concretizou uma profunda reformulação da exposição permanente.

Tem uma coleção diversificada e uma exposição de longa duração consistente que procura retratar, através do estudo e valorização do seu património material e imaterial, a história do Clube, dos seus atletas e as suas diversas modalidades.

Ao mesmo tempo, através dos seus projetos de investigação e do programa de exposições temporárias, o museu tem explorado e desenvolvido as questões da inclusão, acessibilidade, justiça social e sustentabilidade ambiental.


Museu Municipal de Arqueologia de Silves

O Museu Municipal de Arqueologia de Silves, tutelado pela Câmara Municipal de Silves, foi inaugurado a 3 de setembro de 1990.

Encontra-se instalado num edifício construído de raiz (Arq. Mário Varela Gomes e Leonor Janeiro) com o objetivo de salvaguardar os vestígios arqueológicos do poço-cisterna almóada e um troço de muralha com a torre albarrã que o protegiam: peça central do acervo em exposição, datável dos séculos XII-XIII e classificado como Monumento Nacional desde 1990.

A exposição permanente é composta por peças arqueológicas de vários períodos cronológicos: desde os materiais que remontam à pré-história e início da ocupação do território correspondente ao atual concelho de Silves, passando pelos períodos da idade do ferro, ocupação romana e ocupação islâmica.

O Museu tem por missão estudar, conservar, documentar, incorporar e divulgar as coleções nas suas áreas temáticas e ser elemento integrante da comunidade local, ativo na promoção e preservação do património e tradições locais, através da inventariação, salvaguarda, investigação, conservação, interpretação, divulgação e valorização dos testemunhos materiais arqueológicos e históricos provenientes do concelho de Silves.

Reconhecido pelos seus pares (e pelo públicos que o visitam) como exemplo das boas práticas desenvolvidas ao nível das funções museológicas, o Museu Municipal de Arqueologia de Silves assume-se como ponto de passagem obrigatório para quem visita o Algarve e pretende conhecer a sua História e as origens da ocupação do território.


Museu de Marinha

O Museu de Marinha é um museu público, tutelado pela Marinha.

Tem como missão assegurar a conservação e exposição dos objetos de valor histórico, artístico e documental do património da Marinha, ou confiados à sua guarda.

A coleção original do Museu, aquando da sua criação em 1863, era constituída por modelos provenientes do Palácio da Ajuda, bem como por peças pertencentes à Escola Naval.

Posteriormente, as coleções do Museu foram sendo enriquecidas através da recolha e da transferência de objetos existentes em diversos organismos da Marinha e ainda por doações pontuais que incluíam instrumentos de navegação, mobiliário de bordo, pintura, têxteis e palamenta de navios.

Sendo um Museu “de” Marinha e não apenas “da” Marinha, nele se procura mostrar a Marinha no seu sentido lato, isto é nas várias vertentes: militar, comércio, pesca e lazer.

Apesar de possuir peças mais antigas, a cronologia do acervo começa essencialmente no período da expansão marítima portuguesa. A partir daí, conta a história da relação dos portugueses com o mar. Os objetos que ajudam a contar essa história são bastante variados: modelos de navios e embarcações reais, quadros e gravuras, condecorações e armas, cartas de navegar e instrumentos de navegação, fotografias e diplomas.


Museu da Ciência e de História Natural da Universidade de Coimbra

O Museu da Ciência e de História Natural da Universidade de Coimbra, tutelado pela Universidade de Coimbra, foi criado em 1772 no âmbito da Reforma Pombalina da Universidade e constitui-se como o primeiro museu universitário a ser criado em Portugal.

Localiza-se no edifício do antigo Colégio de Jesus e no edifício designado por Laboratório Chimico, na Alta Universitária de Coimbra (Património Mundial da UNESCO desde 2013), espaços que estão historicamente relacionados com a origem setecentista do Museu, preservando-se assim a memória do lugar.

O Museu tem por vocação captar e motivar os cidadãos para a Ciência através da exposição, estudo e investigação, transmitindo e difundindo o conhecimento científico a partir das suas coleções, contribuindo para o conhecimento da História da Ciência em Portugal.

As suas coleções têm origem no núcleo pombalino do século XVIII e no seu desenvolvimento durante os séculos XIX e XX. Constituem núcleos valiosos, muitos deles únicos no país e de valor internacional. Distribuem-se por quatro categoriais principais: História Natural, Etnografia, Instrumentos Científicos e Modelos.

Detentor de um dos mais relevantes acervos histórico-científicos do mundo, o Museu da Ciência e de História Natural da Universidade de Coimbra apresenta hoje um projeto global, em desenvolvimento, que alinha com as mais recentes experiências museográficas no campo da Museologia da Ciência e da História Natural.